quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Libertar



Eu creio em possibilidades
mas não encontro saídas
dessa realidade mastigante
porque eu vi meus demônios
e culpei inocentes
por acreditar nas mentiras
de bocas e mãos rodopiantes
Acredito no meu mal
de tal forma que eu temo
outros males que não existem
Assim desconfiada
das alas escuras
de luzes reluzantes cegantes
acreditando que são maculadas
e querem me rasgar a carne
penitenciando meus pecados
escondendo faces gargalhantes
e me humilhando por eu não estar à altura
de seus mestres oscilantes
Eu só quero a verdade
necessito a verdade
modesta e cativa
dessa minha dor antecipada
do meu oculto passado nativa
Segredos por mentiras cobertos
meu (ambi)Valente olhar nauto
mas me entregarei à ti
esperando que recebas de coração aberto

Nenhum comentário: