sábado, 1 de outubro de 2011

Lucas

Conforme o tempo passa, descubro menos de mim mesma. devo ter me solidificado quando descobri meus princípios. A essência permanece constante, disso não me resta dúvidas, mas os anos acabam e minh'alma transcede mais lentamente. Tenho muito para aprender, apesar de que, a cada vez mais, seja mais difícil mudar. Dolorosa metarmorfose que a teimosia transformou em meu fardo. Para amar foi que nasci, lamentar meu previsível destino já é banal, prefiro aceitá-lo à confrontá-lo. E fora exatamente assim que o conheci. Olhos pesados do nada e uma vida sem grandes feitos internos. Apareci para mostrar à tua alma tudo aquilo que tua carne já sentiu. Toda adrenalina e ventania, toda calma e toda brisa. Vim para fazer teu coração meu lar, tua vida minha vida. Pois, se você cair, eu não cairei, mas é a minha mão que se estenderá para te erguer todas as vezes. Eu nasci para fazer com que vidas como a sua, aparentemente interessantes, se tornem também intensas. E, embora essa tenha sido minha maior descoberta pessoal, é o peso que levo nos ombros e que troco pelo brilho dos meus olhos.



Nenhum comentário: