segunda-feira, 7 de abril de 2014

Dentro de minha pele macia
tua presença varia
meu batimento e
meu termostato:
és meu segredo subcutâneo.

Arcano

Sou mais segura em meus pensamentos íntimos
do que conquistada pelos teus olhos famintos,
ainda que eu saiba de minhas personalidades múltiplas
é em mim meu melhor abrigo do que em tua pálida pele
Sólida tal certeza, permaneço possuída do teu hálito fresco
embebida de teu suor fraquejo, não sei dizer-te não
violentos contra mim os meus castigos
meu próprio lar procura à ti, masmorra, o acalento
Desvairo em delírios, tremo e não posso dormir
o que poderei fazer, se meu próprio corpo
de ti todo tempo foge
e à ti todo tempo procura?

domingo, 6 de abril de 2014

Cura

Quando no particular de minha mente
eu me encontrar revestida somente de tua sede
saberei que minha fuga foi imparcial
e que tal como este caos corporal
me terás presa à ti
e farás tua caça.

Roubarás meus versos, roubarás minha calma
tudo roubarás de mim até que eu seja casta
estonteante e deturpados meus sentidos
hei de me sentir restabelecida
hei de me sentir completa
após por ti for devorada
e devolvida ao mundo
como a única que
do teu amor
sobreviveu.
Quanto tempo dura um momento? e
quanto tempo é necessário para que um momento seja eternamente aquecido na lembrança?

Quantos milésimos de segundo separam a vontade do beijo e quantos beijos satisfazem um desejo?

terça-feira, 1 de abril de 2014

"Gosto de seus olhos e como me perco na sua escuridão. Escuridão infinita e sedutora, que prende-me instintivamente junto ao gracejo de palavras sussurradas ao ouvido. Teço a tênue linha do corpo e da alma, que segue dos toques de suas mãos até os meus mais profundo pensamentos. Nas entranhas de teus lábios, me consomem as neuroses e displicências, volto a essência: sou o ser, o amar, o lúdico, sou o que ainda não pode ser transitado."

Etéreos

Meu sossego é dormir em teu peito,
onde fico a cochilar no Vai e Vem da tua respiração
Suspiras em uníssono tantos sonhos quais percebo
Ao olhar para o teu cenho, que franze toda vida
Você faz barulhos dormindo,
enquanto eu fico a observar que teus lençóis
são nosso lar.
Se tento sair de teus braços, não me deixas
Me apertas para mais perto, enfiando meu rostinho
em teus cabelos.
Teus dedos percorrendo o caminho de minhas costas
Enquanto, em passo lento, o dia se desfaz.

Por instantes posso perceber que ao finalmente adormecer
De dois tornamo-nos um, eternos azuis desmanchados em descanso
após amarmo-nos por inteiro.
Me encanto das coisas breves
porém do eterno sobrevivo
Do efêmero, retiro coisas leves
e o infinito me tem cativo

deslumbrariam-me tardes remotas
caso eu me desfizesse de tal dúvida:
preenche-me verdadeiramente
o que é célere
ou infindável?