segunda-feira, 31 de março de 2014

Entre as diversas alianças que fiz contigo, me perdi
sofri, sofri na ausência
na onipotência
no teu roubo de mim
Respeito as nuvens vagarosas que me segredam
guardiãs da insaciável saudade
de tua carne
aguardam-me dias de metamorfose?
No véu imerso em ondas de lágrimas
permito-me sofrer perante minha impotência
em não amar-te mais