quinta-feira, 10 de novembro de 2011

O poeta VII

Às vezes e quase sempre
Necessito te escrever
mas não arquiteto o quê
Nem me investigo o motivo
Só necessito – e o faço
Sempre que posso
Dizer o óbvio não basta
Um eu te quero,
Eu te preciso
Eu te exploro
Eu te amo
Eu te devoro

entendes o que eu digo?

Nenhum comentário: