terça-feira, 8 de novembro de 2011

Confuso

Funcionando de um jeito arbitrário
A última vez que se encontraram
Não virou poema...
Virou um let it be
Esqueça,
O eterno durou, sim
,,,,, mas surgiu a vírgula

Valeu a pena?
Depois de noites de pesares
Dias e dias de malandragem
E de álcool
    (que está sempre nas entrelinhas)
E se for verdade?
Sério,
se for mesmo verdade
Se isso aqui dentro
palpitante
Gritante
Rasgante
Estiver me dizendo a verdade?

Investigo
Só que ela e mais outras me dizem
Da tua condizente manipulação
Essa aí que não avisto
“Faz o que quer como quer
E consegue o que quer
Quando quer”
Maldição...

Não não não
Liberdade
Essa sim vejo em teus olhos
Ingenuidade?

É que fui feita para ninguém precisar de mim...
E o pior dos piores
Fui feita para não precisar de ninguém

Mas quando chegas
   (sempre nessa minha adversidade)
esqueço o meu lugar
e também o da vírgula
   (de novo)
desculpa meu amor

é que teu tropeço me conta
que você veio de longe
só parece sim
que você veio de dentro de mim
e eu dentro de você
imagina...
nunca cessaria
há uma possibilidade?

Sentir era para ser uma coisa simples...
Mas parece que o sentir
  é pra ser vivido por inteiro
Solamente e só lamento

E eu sei o teu segredo
 E tu sabe o meu segredo
E você tem medo de mim
 E eu tenho medo de você

E você me conta
- porque elas não contam -
“Nesse mundo não há felicidade
nem diversão
portanto
devemos, oh sim devemos
ser felizes e nos divertir!”

 tentei segurar
O riso
Nas últimas cócegas
Desafiando-te
Faça-me mais!

Pois senti medo
Que fossem as últimas
E de novo mais uma vez
veio a previsão
De acontecimentos ruins
a maldita sensação
Sinto sinto sinto
Mas não resisto
Te largo solto
Porque tu à mim pertenceres
É escolha tua amor
Deixo a porta aberta
    (e meu coração também!)

E sinto medo
Que em um de teus desencontros
E encontros
Nessa cidadezinha pequena
Com essas boquinhas ferozes
Que jamais entenderão
Que eu não nasci para dividir ninguém
   (ter alguém já é por si suficientemente sofrido)
como estava dizendo...
sinto medo
de um dia
sem querer
querendo
aconteça

medo
que teus let it bes
Virem nosso yesterday

...(nós sabemos a verdade
sabemos que a liberdade
não é coberta de solidão)...

e eu queria assim que
nossos beijos
namorassem o mundo
como se eu te beijasse
pela primeira vez

te quis te quis te quis
e falava assim manso
"de tanto querer
hei de te ter"
te tenho?

quis blefar
(à mim)
negando sentimentos
mas sabe...
fracassei!

Nenhum comentário: