domingo, 25 de dezembro de 2011

O poeta XII

Gosto, e como gosto de nosso exagero
mantendo-me aqui em meu cativeiro
será que está ao invisível olhar
ou tem o sono que me rouba?

Sangue perdura, perfura
abre aspas e palpita o peito
Eu o amo como está o céu a amar
seu oposto profundo e enigmo, mar

Nenhum comentário: