quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Guarde



Que esse tal senhor te guarde,
Pois não há mais quem o faça
Que o prazer te satisfaça
Para que sobre tempo e espaço
Para o sempre bem querer amor
Não deixes à deriva palavras ainda não ditas
Conserves a saudade,
Para que ninguém nunca te amargure
Ninguém nunca te estufe
Ninguém nunca tome de ti
O tempo suficiente.
Queira sempre mais
Não abandones o canto,
Roube das tardes o esmero
Não apague delas o encanto
Sinta na carne o seio sincero
Mas sempre,
Sempre ame
Apenas uma.
A única. 

Nenhum comentário: