quarta-feira, 10 de junho de 2015

NÃO SEI

Não sei com que mãos tocarei
tuas mãos e com que língua
articularei as palavras
que te calarão e se estas
serão palavras suficientes
pra sentir tua língua
Não sei de que forma
aquietarei meu pulso
instável após minhas mãos
que não sei quais são
tocarem as tuas
e minhas palavras
pronunciadas pela minha língua
estarem caladas pela tua boca disforme
Não sei com que remédio
curarei meu corpo trêmulo
sensível pela tua presença
desabituado com teu toque
não fluente na tua língua
Não sei com que olhos
fitarei teus olhos
e se a linguagem de teus gestos
condenará tua vontade de mim
Muito menos sei
com que tom disfarçarei
meu sarcasmo ao dizer que
utopicamente sentirás
vontade de mim

Um comentário:

Thainá Mariane disse...

Que poema mais lindo! <3