segunda-feira, 2 de abril de 2012

Matar-me-ei


Resgata meu inútil desejo
De amar-te mais um pouquinho
Mata-me de anseio pois
Amar-te-ia todos os dias!

Força do amor insuperável
Estranho silêncio imensurável
Ânsia de meu abismo passado
Do homem impossível, mas amado!

Matar-me-ia se acordasse
E não pudesse amar-te insaciável
Todos os meus dias, irrecuperável
Resgata, suplico, meu último desejo!

Nenhum comentário: