segunda-feira, 16 de abril de 2012

Da Capela


Fostes mais breve que meu adeus
Eu sabia que minhas pernas não serias tuas
Que teus lábios não seriam meus
Mas eu pude por uma noite
Em nossa orgia de olhares
Recolher do teu bem mais precioso

Contavas-me com fulgor!
Da Inglaterra à Moscou
E eu fiquei a desejar não somente tuas mãos
Mas teus olhos da memória
Que de tudo já viu,
E que de todo sabor tua boca já sentiu
-     - exceto a minha.

Arriscaria-me; amei-te por uma noite
Nós, nus sob as estrelas
Em metamorfoses enigmáticas de pensamentos
De teu momento íntimo ao cigarro os fitares
Em meus olhos distraídos que se perdiam
A cada vez que me sorrias e me trazias
Um pouco mais de tua vida.



Um comentário:

Gabriel P. Knoll disse...

é! Essa coisa frenética de amar só por uma noite é delirante. Vale muito... às vezes. :D