sábado, 3 de maio de 2014

De serpente, desordeno
Eloquente
transcendente em delírios
aveludada de frieza e perversão
de minha garganta fervente, impaciente
por novas mentes.

Apeteço-me destes semáforos piscantes,
sapateando no caos que minha vida se tornara
os cigarros derretendo em minhas mãos
e ele
me ligou
sete vezes
somente hoje.

Meus saltos há muito difundiram com asfalto
Fazendo música à ouvidos estrangeiros
Vivo acompanhada deste Céu desleal
mas qualquer um que me vê passando,
sabe que venho sozinha.

Um comentário:

Gyzelle Góes disse...

Qualquer um que observa, pensa ser louca. Poetas são assim, é um charme