quarta-feira, 22 de junho de 2016

21.06

Sinto minhas têmporas latejarem, não irei conseguir sair de casa. O dia de hoje me dói de maneiras intangíveis, pois não posso mais te ver deitado ao meu lado, com teus olhos marejados de tanto sono e lutando violentamente contra. Não quero parecer contraditória, fui eu que parti, mas pedaços de ti ficaram por todos os cantos de meu quarto, como se fosse a primeira camada da tua pele esquecida propositalmente para me causar saudade. Eu não consigo te esquecer com estas camisetas dentro de minhas gavetas e nossas histórias dentro de todos os meus cadernos. É algo ainda maior do que isso, é como se teus olhos me olhassem e tu estivesses tão perto de mim que eu não vejo mais nada além de ti. Sinto falta até de tuas bochechas e também de andar sozinha pelas ruas contigo me acompanhando, ouvindo tuas palavras e às vezes ouvindo apenas teu silêncio. Dói, pois a saudade de ti me seduz, me seduz tanto que eu negaria o paraíso por ela. Sinto falta das pequenas violências, que tão doces me deixavam marcas na alma durante dias. Por que essa saudade insiste em machucar meu coração? Eu escrevo todos os dias sobre a dor que é existir numa realidade onde você não está comigo. Eu detesto todos os móveis de meu quarto porque eles são fantasmas no escuro e à noite sussurram nosso passado em narrativas perfeitas porque eles foram testemunha, eu me reviro na cama e deliro, sinto até tua respiração ofegante tocar minha nuca, lembro dessa sensação e quero chorar. Eu te destino todas as minhas letras escritas, todo o amor que posso sentir e todas as páginas que tenho dentro de mim que são infinitas preces, azul e sofrimento. Não há nada que eu faça hoje que impeça estes pensamentos horríveis, as pessoas coexistem lá fora, mas aqui dentro eu permaneço sozinha, trancafiada em versos que escrevo sempre parecidos com estas linhas, ao som de músicas que reduzem minha tristeza a algo comum e universal a todos os seres. Esperando a hora em que olharei para frente e é você quem estará lá, não sua memória.

Nenhum comentário: